Ele nunca se enerva, não se revolta, não se insurge. Suporta. Tudo. A ironia que fere. O insulto. Os desmandos dos chefes. Os cortes do Governo. A pedra no sapato. O sapato na garganta. A mordaça na boca. O sorriso do ladrão. O cuspo do cabrão.
Nada o agita.
É notória, a sua mansuetude.
É manso. E é tudo!






[Desafio: Sugiram-me (mail,FB)palavras em desuso que vos pareçam sugestivas]

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue