Visão

- Tive uma premonição, muita intensa. Neste lugar onde nos encontramos, havia chamas ali em frente, no Cinema, e pessoas a gritar lá dentro. Havias de ter visto, uma coisa pavorosa, rolos de fumo mais negros que alcatrão, e gritos de arrepiar, com toda a gente cá fora a gritar também, impotentes para fazer o que quer que fosse.
- E quando é que achas que isso poderá acontecer?
- Hoje, sei, sinto que é hoje, e aquele relógio digital diante da farmácia marcava 16:50...Ou 17:50...não me lembro bem.
- Mas já são 16:25, e de fumo não se vê nem o ténue traço do fumo dum cigarro.
- Vai acontecer, sei que sim! Mas, pelo sim, pelo não, trago na bagageira do carro um isqueiro e um jarricã de gasolina...

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue