«(…) Se, alguma vez, nos degraus de um palácio, na verde relva de uma vala, na solidão morna do vosso quarto, despertardes com a embriaguez diminuída ou desaparecida, perguntai ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntai que horas são.

E o vento, a vaga, a estrela, o pássaro, o relógio, vos responderão:

- É a hora de vos embriagardes! Para não serdes escravos martirizados do Tempo, embriagai-vos! Embriagai-vos sem cessar! Com vinho, poesia, virtude! Como quiserdes!»

Baudelaire (Pequenos Poemas em Prosa, 33)

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue