O Cabo da Vaga Esperança

   Dobrou os 35 e descobriu-se nostálgico. Vive ouvindo as músicas que embalaram a sua infância e adolescência, revê os filmes e séries de televisão, restaurou e enriqueceu a sua colecção de brinquedos identitários. Agora, a mãe deu com ele a chorar diante duma foto do Joly, o seu cão preferido que, vinte e cinco anos atrás, fora feito em papa por um camião mesmo em frente à casa.
   - Meu filho... - foi avisando a mãe - espero que não penses em regressar ao meu ventre, porque já não cabes na porta...



arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...