Coerência Zen

- Mestre, o que eu faço às minhas paixões e desejos?
- Aligeira-te delas, liberta-te, atira tudo para trás das costas!
- E aos meus medos?
- Se não tiveres paixões nem desejos, também não terás medos. Mas se algum dos teus medos persistir, deita-o fora, liberta o peso que carregas sobre ti, atira-o para longe.
- E aos meus sonhos de futuro, àquilo que eu achava que viria a ser um dia?
- Deita-os também fora, tu caminhas para o não-ser, futuro e sonho não existe aí. Liberta-te de todos esses erros, e atira-os para bem longe!
- E a afeição dos meus amigos e familiares?
- Liberta-te desse e de todos os pesos, começa agora mesmo, enquanto subimos ao santuário.
- Mas mestre, e o seu peso? O que faço consigo, agora que o trago ás cavalitas?
- ...



Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue