Quando a vida lhe permite (porque a vida moderna o desinquieta, sempre transbordando de tecnologia e novos inventos), e levando na mão algumas flores surripiadas nalgum recanto ajardinado da cidade, Álvaro de Campos gosta de visitar o túmulo de Pessoa, de quem gostava como a um irmão.




(tributo heteronímico a "O Ano da Morte de Ricardo Reis")



Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue