O óculo expiatório

   Tocaram à campainha e a velha senhora espreitou pelo óculo da porta para ver quem era, mas só viu uma figura fosca no patamar do prédio. Soltou um grito de terror, e a tal figura fosca deu dois passos para trás com o susto e caiu pela escadas abaixo. No instante em que o seu corpo começava a tombar, conseguiu vislumbrar que era o seu marido. 
   Mais tarde, no hospital, à sua beira, a velha senhora desculpou-se com o malfadado óculo de porta - era velho e precisava de mudar a gradação da lente. Já por mais de uma vez, ela chocara contra os candeeiros de rua por causa dele.



Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...