Sangue, muito sangue em poças e traços viscosos nas paredes, e tripas e fiapos de carne em cima dos móveis e enroladas nas borlas do cortinado. “Ainda não é suficiente!” pensou o realizador do filme sobre zombies.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...