Ela aprendeu dactilografia, estenografia, escrita hieroglífica. Escreveu muito e escreveu sobre os autores e os sistemas de escrita. Por estes dias, já só escreve um nome na areia da praia, que fica a ver sumir-se na língua salina das ondas, imaginando que isso confortará o cadáver desassossegado que jaz no fundo do mar.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...