Um poeta é sempre um poeta, sejam quais forem as suas obras - um verso, um ensaio, um filho, um barco de papel dobrado com dedos de sonhar.


(degustando a prosa de Carlos de Oliveira)

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue