Um poeta é sempre um poeta, sejam quais forem as suas obras - um verso, um ensaio, um filho, um barco de papel dobrado com dedos de sonhar.


(degustando a prosa de Carlos de Oliveira)

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...