Trabalhador dedicado e obediente, um cidadão empenhado de modos finos e educados, leal na amizade, na política e no desporto; mostrava-se atento aos sucessos e problemas do mundo e da sociedade. 
À entrada de casa, ao lado do bengaleiro, tinha um cabide onde pendurava a máscara que estivera a usar (nunca ninguém vira o seu verdadeiro rosto).

1 comentário:

  1. pois...ser bonzinho pode dar nisso.

    ter óptimos resultados para os outros e muito maus para si próprio - na altura de tirar a máscara.

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...