No avião de passageiros que levantara voo sem aviso, todos estavam atentos, o piloto clandestino, e o seu co-piloto, igualmente clandestino, e as poucas hospedeiras e passageiros, todos clandestinos. A meio do voo, uma delas alertou o piloto em sobressalto, porque havia dois passageiros oficiais sentados lá atrás, com passagens e tudo. - E a bagagem deles, está conforme? - Completamente, não excede o limite de peso numa grama sequer. (Isso é grave, pensou o piloto), e falando já de viva voz, avisou a hospedeira para não os deixar sair dos seus lugares, que ele avisaria o aeroporto mais próximo para ter as autoridades preparadas para os deter.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...