O rio que parou

Saíra da sua vila natal há uns trinta anos atrás, primeiro, andara nos paquetes, onde serviu como despenseiro e ajudante de copa, depois, arranjou contrato de trabalho em França, e por lá se fixou, num lugarejo da costa mediterrânica, onde, com o correr do tempo, se estabeleceu com uma marisqueira, criada em sociedade com o cunhado. Ao fim desses anos todos, sentiu curiosidade de rever os lugares onde vivera até aos primeiros anos da juventude. Escolheu o mês de Agosto, o mês das migrações, e voltou à terra natal. Estava preparado para rever uma terra transformada radicalmente, com prédios de apartamentos e villas futuristas onde antes se lembrava das casas simples, quase todas térreas, com paredes e muros revestidos a pedra e telhados planos de telha marselha, por vezes, com uma eira ancestral ou um celeiro com paredes de pedra, aninhados entre o tecido das moradias e quintais. Mas, estranhamente, a primeira sensação que teve quando entrou na vila, é que ela não tinha mudado nada, ou quase nada. Não conseguia detectar mudanças algumas na paisagem, nas casas, ruas e ruelas. Notou que o relógio da torre da igreja estava parado, e os ponteiros gigantes marcavam quatro horas e quinze minutos, e quase de imediato, quando foi à farmácia à procura do velho senhor Albano, o farmacêutico (a ver se ele ainda era vivo), notou que o relógio da parede da farmácia também estava parado, caprichosamente, nas mesma hora que o relógio da torre, quatro e quinze. "Esta terra parou no tempo", concluiu para si o emigrante, com aquela ponta de orgulho de quem se deu bem no estrangeiro e que anseia para que os seus atávicos conterrâneos o reconheçam. Mas essa observação quase sarcástica assumiu dimensões assustadoras quando viu chegar-se ao balcão o senhor Albano, com a mesma idade que aparentava há três décadas atrás, Albano, que foi atender ao balcão a Rosa, a sua prima Rosa, que continuava a mesma jovem de vinte anos de que se lembrava, de cabelos compridos e roupas garridas, apesar dos dois primos terem nascido com poucas semanas de diferença.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue