A mãe

Ela costumava dizer aos filhos:
«Quando eu estiver debaixo da terra, não me ponham em cima flores de papel ou de plástico, porque eu detesto. Se não tiverem dinheiro ou vontade de comprar flores verdadeiras, colham ervas na berma dos caminhos e papoilas nos valados!».
Os filhos não se esqueceram disso, da mesma forma que nunca se lembravam do mesmo. 
A natureza, compensou essa indiferença, e teceu em volta da sua campa uma coroa de fetos, giestas e flores bravias.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...