INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Há gente maluca pelas estradas

Álvaro Pereira (refiro o nome, embora os jornais tenham falado no caso, usando as suas iniciais, A.P.), era um homem de perto de sessenta anos, já reformado, que se deslocou à cidade naquela manhã para comprar um carro novo. Já o tinha visto no stand de viaturas, e já estava guardado para si. Foi só efectivar a compra - bafejado pelas mesuras e sorrisos do vendedor e da funcionária do escritório - e sair dali com o carro novo, a resplandecer ao Sol como uma criação divina. Deu umas voltas pela cidade, só para se habituar à direcção e às mudanças, e tomou o caminho de casa, ansioso por mostrá-lo à família. Foi sempre devagar, na ordem dos sessenta, setenta quilómetro por hora, receoso de estragar o seu brinquedo novo. Na faixa contrária, viu sair para a sua um carro azul numa ultrapassagem apertada, assustado, buzinou-lhe e acendeu-lhe as luzes em sinal de protesto, e o outro carro completou a ultrapassagem, sem lhe tocar, mas apenas por um cabelo - e Álvaro Pereira continuou, despreocupado, o seu caminho para casa.
No carro azul, seguia um jovem, que se picou com os protestos de Álvaro Pereira e que, aproveitando uma rotunda um pouco à frente, inverteu a marcha e seguiu no encalço de Álvaro, que veio a alcançar uns vinte quilómetros mais à frente. Acendeu-lhe as luzes e buzinou-lhe, e enquanto Álvaro se interrogava sobre o motivo daquele alarido, o carro azul começou a dar-lhe encostos no pára-choques traseiro, para o assustar. Mas isso não era suficiente para o jovem do carro azul, que só descansou quando lhe deu um encosto sobre a roda traseira, fazendo-o perder o controlo do carro e despenhar-se por um barranco ao lado da estrada. E assim, o jovem retomou o seu caminho, satisfeito que estava, o seu desproporcional desejo de vingança.
(E isto não passaria duma mera ocorrência policial, ou duma notícia de duas linhas nos jornais locais, se o jovem do carro azul não fosse o filho mais novo de Álvaro Pereira).

7 comentários:

  1. Má educação ou a sempre igual competição masculina?

    ResponderEliminar
  2. É mais complexo do que isso, um carro multiplica por milhares de vezes a força que um homem é capaz de empregar num murro ou numa facada. Se a pessoa for violenta, andar com um carro pode, em situações como a descrita, ser o equivalente a andar com uma arma carregada. Qualquer motivo, mesmo ridículo, pode despoletar a agressão.

    Sei do que falo, porque já tive a experiência pessoal de ser abalroado por um carro na auto-estrada quando conduzia a 120. Tive a sorte de conseguir dominar o carro, caso contrário, este comentário, se calhar, não chegava a existir.

    ResponderEliminar
  3. Cláudia S. Tomazi - Brasil SC01:28:00

    Há gente maluca em todo lugar...

    ResponderEliminar
  4. :)
    É um facto!

    ResponderEliminar
  5. José,
    volto a perguntar, pois dirijo e não ignoro o potencial destruidor de um carro em movimento. Não foi o carro, mas o homem dentro do carro e sua intenção, já que não foi ao acaso: má educação ou competição?
    Afinal a história foi engendrada por você!

    ResponderEliminar
  6. anger

    (quem escreve, só é responsável por metade da mensagem ou símbolo, quando lemos, apropriamos e interpretamos a mensagem e fazemos o resto do percurso. As partes e quota-partes variam, mas a leitura é - ou deve ser - sempre um processo dinâmico)

    ResponderEliminar
  7. Alguns dos nossos comentários mal terçados são um bom exemplo da diferença entre aquilo que uma pessoa escreve e o que a outra lá vai buscar

    ResponderEliminar

Amor

O seu amor é feito de vidros que cortam, isso era tudo o que sabia dizer e que poderia até ambicionar dizer-lhe se surtisse a ocasião ou...