- Tens um íntimo bom – afirmou ela, a procurar adoçar a pílula ao que pretendia dizer-lhe.
- O meu bom íntimo precisa do teu amor, como um licor generoso precisa dum belo cálice de cristal.
Ela susteve a respiração por alguns segundos antes de continuar, conduzido pela imagem à imagem do licor a ser absorvido pela areia da praia.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...