Matéria-prima

Casulos vazios e algodoados;
Finíssimas teias de aranha, enroladas em volta de um cabelo louro de criança;
Duas ou três mãos-cheias de espuma, colhidas no fundo duma cascata;
Folhas, muitas folhas de árvore, previamente secas entre as páginas de livros até não serem mais do que películas sépia imponderáveis,
e
líquenes esbranquiçados, retidos na superfície húmida duma asa de borboleta.

(Estes são alguns dos materiais de que fazemos uso, quando nos pomos a urdir castelos no ar).

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue