A forca e a força

O marinheiro sentado com as costas apoiado num tronco de árvore, olhava aborrecido para os homenzinhos minúsculos que se afadigavam em volta do seu pé descalço, dando laçadas e nós ao dedo grande.
- Vocês não desistem! – Reconheceu com uma ponta de admiração.
- Cala-te gigante! As palavras que dirigiste ao nosso rei foram muito graves e ofensivas, e foste condenado á pena de morte pelo nosso conselho de Estado. Não tens como tentar iludir a nossa justiça.
O gigante sentiu vontade de coçar o pé, enquanto eles apertavam o laço em volta do dedo, mas resistiu.
- Mas quando é que vocês se convencem, que não é assim que me conseguem enforcar?
- Silêncio, Gulliver! Já sobreviveste por duas vezes à nossa morte misericordiosa, mas ainda temos mais uma tentativa antes de tu poderes apelar, por fim, á clemência do nosso rei.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue