Fly


- Agarra-me bem, não me largues.
Ele estava dependurado de cabeça para baixo com os abismos sob os olhos, e o amigo segurava-o pelo calcanhar com ambas as mãos. 
- Dizem que na proximidade da morte, o nosso espírito revê em fracções de segundos toda a vida passada, como um filme acelerado, mas não estou a conseguir ver nada.
- Ainda vai demorar muito? É que estou a sentir as mãos a escorregar.
- Não, já chega! Era apenas uma experiência, uma curiosidade antiga, agora, deixa-me voar!

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...