O mito menos improvável que conheço, é o de uma cómoda de madeira de faia numa casa de gente preguiçosa, que criou raízes nos pés, dada a abundância de nutrientes no lixo do chão.

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...