(Ninguém me acredita, mas eu sei que por trás de todas as aparências, a existência é uma roda gigante, com raios paralelos nos quais tenho de firmar os pés, e esses raios têm nomes, nomes de anos de frequência escolar, de pessoas e mestres, sargentos e chefes, nomes de leis e regras a que tenho de obedecer, de deveres que me são impostos, de sonhos calados e mundos por nascer. Ninguém me leva a sério, mas não me canso de afirmar que não faço outra coisa na vida do que correr dentro dessa roda giratória, como o meu hamster na roda da sua gaiola).

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue