desconforto

- Amo-te e tu és a mulher da minha vida - confessou ele, arrebatado.
- Também gosto de ti, mas não posso aceitar isso, as vidas são muito grandes e é muita responsabilidade. Não me voltes a dizer isso, a não ser, que penses morrer em breve.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...