Desacordo ortográfico

Há regras precisas para nos exprimirmos, e as nossas palavras caminham por cercados com os seus pés lanudos de carneiros, balindo com bê, caminhando com cê, mas as regras confundem os regrantes, e o carneiro veste a pele do lobo e do pastor, e quando sonha alto na noite funda, não arranja sítio para arrumar a cedilha ou a sua sombra, e não sabe se há-de acordar bem humorado, com agá mudo, ou se continue no seu tormento nocturno sob o seu dossel de hífens e tremas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...