INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Réveillon

A frigideira já frigia quando a mulher reparou que não tinha mais açúcar para os sonhos, algo que era imperdoável, por se ter esquecido do açúcar e por considerar ser um atributo importante estar sempre a lembrar ao seu homem o quanto era uma pessoa doce. Vou lá acima á minha cunhada pedir algum, disse-lhe, cuidas dos camarões, não é preciso nenhum tutorial, vais mexendo e virando para eles não se pegarem á frigideira e, á medida que for evaporando o molho, vais adicionando azeite, sal e uísque. É melhor provares de vez em quando, para verificares o sabor. Ela saiu porta fora e ele ficou entregue aos camarões, e seguiu á risca as instruções. Mexer, virar, renovar o molho, não gostava de camarões encruados que resistiam ao marfim dos dentes como talo de couve, mexer, virar, renovar o molho, é melhor ir provando, lembrou-se, pegou num pouco de pão e provou, mas não lhe soube bem, é melhor provar directamente, descascou um camarão e comeu-o, estava bom, descascou outro e mais outro, e provou-os também, precisavam de mais uísque e mais picante. O uísque! Era uma pena gastar-se uísque daquela maneira, verteu uma boa porção numa chávena de café e bebeu-a em pequenos goles enquanto mexia e virava os camarões. Camarões com uísque e uísque sem camarões. A mulher demorava. Para se refrescar do calor da chama, abriu e bebeu uma cerveja, e para acalmar o gelo que se insinuara no estômago, bebeu mais umas chávenas de uísque. Os camarões iam saindo, e sendo devorados entre tragos de uísque e cerveja. Por fim, entra a mulher, traz o açúcar, e uma travessa de aletria que a cunhada lhe dera, mais um quilo de coscuvilhices nos bolsos do avental. A sua cozinha convertera-se num cenário de guerra. O molho da frigideira havia secado e o fogão parecia a chaminé duma locomotiva a vapor, e o seu homem está deitado sobre a mesa, a gemer. Ele esbraceja com energia e ela aproxima-se, a medo.

- Tenho camarões a mexerem-se na minha barriga – confidencia – não faças barulho, que os acordas…

3 comentários:

  1. Uma grande vontade de criar uma briga, mas diante deste estratagema, só dava mesmo para rir! Ótimo José e esta foto, a água convidativa neste calor em que vivemos aqui ao sul, é uma bênção!
    A entrada para seu caminho, tão estreitinha, com a pequena árvore acima e agora esta amplidão magnífica. Espero que haja a mesma abertura em toda a sua vida e que seja benfazeja!

    ResponderEliminar
  2. Um reveillon agitado... :-)

    ResponderEliminar
  3. Anónimo00:16:00

    Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!

    ResponderEliminar

Rainha

                Subiu lesto os parcos degraus que separavam o átrio do hotel do recinto sobrelevado onde haviam instalado a receção. Ab...