INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Um dia, há muito tempo, existiu alegria na sua casa, lembrava-se disso, mas há muito tempo que não a encontrava. Talvez tivesse caído por uma das frinchas do soalho ou talvez - quem sabe? - a tivesse aspirado sem querer.

2 comentários:

  1. José, gostei tanto destes teus últimos contos. Mesmo os curtinhos conseguem uma profundidade imensa e é o que mais me agrada em sua escrita- crítica e profunda.
    Comento neste pois foi o que mais me tocou. Quem sabe a limpeza nos carregue a alegria?
    um abraço, José.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado Angela, é mais difícil (e também mais estimulante) dizer o que se tem para dizer em poucas palavras. No que fica por descrever ou elaborar cria-se uma zona imprecisa de penumbra que as pessoas têm de preencher à sua maneira, interpretando o que ficou escrito e supondo o que não foi narrado.

    A "profundidade" do microconto e do conto curto nasce dessa negação da preguiça e da inércia do leitor, que, a maior parte das vezes, vai muito mais longe do que a intenção ou o conceito explorado por quem escreve o texto.

    abraço

    ResponderEliminar

Rainha

                Subiu lesto os parcos degraus que separavam o átrio do hotel do recinto sobrelevado onde haviam instalado a receção. Ab...