Estamos no mês do Natal, lembrou-lhe a mulher com um leve tom de censura, devias tentar escrever coisas menos carregadas. A contragosto, ele teve de lhe dar razão, e começou a acrescentar aos dizeres que gravava com um cinzel em lápides funerárias, um pequeno motivo a um canto que evocava um ramo de azevinho.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...