Adicto 2

Fumava muito, e tossia com frequência, é da cigarreira, comentava com os amigos. Um dia, no regresso a casa, o carro que conduzia derrapou no piso molhado e embateu contra uma árvore. Levado ao hospital, constataram que não parecia ter nada partido mas, como se queixasse de dores no peito, fizeram-lhe exames. Estes indicaram que não havia ossos partidos, mas que padecia de tuberculose em estado avançado. A enfermeira contou-lhe, rematando: “deve dar graças a Deus pelo acidente, assim, ainda pode ser tratado!”. Ele abriu muito os olhos, como se ela falasse chinamarquês, e inquiriu: “Quer isso dizer que eu não posso fumar?”.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...