Saiu de casa para ir a uma consulta. O médico examinou-o, leu-lhe o Tarot e mandou interná-lo. Já na cama do hospital, a enfermeira nada enfermiça trouxe-lhe uma chávena de chá, e depois dele o beber, ela leu-lhe o futuro nas folhas de chá e instou-o a voltar a casa o mais depressa possível. Obedecendo, voltou a casa, e encontrou o médico com a sua mulher á volta dum ritual divinatório que envolvia um colchão de penas de ganso. Expulsou os dois de casa e entregou-se á dor, um personagem que cheirava a éter e a folhas de chá, e a dor só o devolveu à solidão da casa depois de lhe subtrair todo o dinheiro que ele ali guardava, mais o ganso das penas.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue