Quero lá saber!

Os moradores do prédio degradado não pintam o prédio, não limpam as escadas, não lavam o terraço amplo no topo. Não se lhes pode pedir muito, são inquilinos dos antigos que pagam uns tostões pela renda e que acordam todas as manhãs com a ansiedade de confirmarem se o prédio se mantém intacto, ou se houve alguma derrocada. Deste modo, o prédio já quase não tem tinta nas paredes, porque não cabe a eles pintá-lo, a sujidade e poças de urina nos degraus da escada também não são da sua conta e só têm de contornar o que lhes desagrada, e também não lembraria a nenhum deles ir varrer ou lavar o terraço no topo. Neste caso, ainda bem que é um terraço e ainda bem que chove. A água da chuva leva e lava tudo á frente, escoando-se defeituosamente pelas goteiras enferrujadas e cheias de buracos. Nesta última chuvada, a água que escorreu pela goteira vinha avermelhada, da cor do sangue, era visível nas paredes e no passeio junto ao prédio. Mas os moradores do prédio degradado não deram qualquer importância, não lhes cabia limparem aquela porcaria, e não era da conta deles se, agora, o senhorio decidira usar o terraço como talho.


2 comentários:

  1. Uau! Me pareceu uma bela metáfora de nossos dias!
    Magnífico!

    ResponderEliminar
  2. Estou fazendo uma Campanha de Natal para crianças necessitadas da minha comunidade carente aqui no Rio de Janeiro,são crianças que não tem nada no Natal,as doações serão destinadas a compra de cestas básicas-roupas-calçados e brinquedos. Se cada um de nós doar-mos um pouquinho DEUS multiplicará em muitas crianças felizes. Se voce quiser ajudar é fácil,basta depositar qualquer quantia no Banco do Brasil agencia 3082-1 conta 9.799-3 Voce verá como doar faz bem a Alma,obrigado. meu email asilvareis10@gmail.com

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...