Quando abre a época da caça, aumenta o número de cães vitimados no alcatrão das estradas, eles que na sua inocência descem aos rios de asfalto em busca de presas abatidas ou dos seus próprios donos, perdidos deles, e são caçados ali pelos carros. Um qualquer tira-lhe a vida e os outros carros moem-nos, triturando os ossos e as vísceras numa papa a apodrecer à chuva e ao sol.

(O céu dos cães deve ficar super-lotado nesta época).

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...