Pânico

Teve um pesadelo horrível, mau-sonhou que estava no meio duma cidade, mas na cidade não havia pessoas, apenas camaleões e rãs, por todo o lado, pendurados em cachos nos candeeiros de rua e nos túneis do metropolitano, a invadir todas as ruas e escadarias como marés vivas de milhares, milhões de seres coloridos e brilhantes, a agitar as línguas viscosas como chicotes ameaçadores. Foi então que acordou, e agitou as asas de alegria, pousada num cagalhoto de cão na berma duma estrada.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...