Nevermore

Numa tarde melancólica de Inverno, Edgar Allan Poe releu o poema que acabara de escrever, e constatou que ele estava imperfeito e que continha algumas gralhas. Exasperado, rasgou a folha de papel em mil pedacinhos e voltou a escrever o poema, de cabeça, fiando-se na sua memória e sentido do belo. Quando o releu, constatou que, desta feita, ele não tinha nenhuma gralha, mas em compensação, conseguiu inventariar nele, doze corvos de enfiada.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...