Manuel viu-se a braços com muitos problemas na sua vida, e todos a desabarem sobre si ao mesmo tempo (mania muito comum aos problemas), e num dado passo, deixou de sorrir, assim mesmo, os lábios ficaram rijos como pedra, ou usando uma imagem mais orgânica, rijos como madeira. Os médicos não sabiam o que fazer, porque assim, Manuel não podia abrir a boca para ingerir os alimentos, e, de igual forma, não podia falar e comunicar com os outros. Mas os médicos são pessoas muito inteligentes que arranjam solução para tudo, e Manuel passou a ser alimentado por um tubo ligado ao estômago, e providenciaram-lhe um boneco de madeira para o qual o Manuel podia projectar a sua voz, suprindo as suas lacunas de comunicação. E a primeira coisa que Manuel ventrílocou para o seu boneco foi: “Que merda de comida!”

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...