INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Fomos avisados!!

Ano de dois mil e doze, madrugada do dia vinte e dois de Dezembro. O argumentista de Hollywood acorda num bar de auto-estrada. Adormecera ás tantas sobre o tampo da mesa, rodeado de garrafas vazias de uísque. Boceja, e acende um cigarro, rezando para que não se incendeie o hálito da sua boca. Depois de coçar o umbigo descoberto pela camisa desfraldada, olha para o exterior pelas vidraças do bar. Está um dia esplêndido de sol, não há sinais do fim do mundo, nem mesmo a sombra ameaçadora de uma nuvenzita no céu claro. Com o cigarro no canto da boca, alivia-se no urinol, passaja as mãos por água, e aproxima-se do empregado que o olha através dumas olheiras de coruja.

- Parece que o mundo não acabou mesmo. Queria pagar a conta…

Dicionário

                O “seu” dicionário não tinha muitas palavras, e entre estas, havia muitas quase virginais, intocadas, outras devassadas e p...