Oito vidas perdidas, e o gato ficou mais sábio e cauteloso. Continua a sair de noite para ir ás gatas - isso nem a redundância da morte lhe tirou - mas não sai ás cegas, aprendeu a estar atento à aproximação de cães, a evitar o convívio dos humanos - que eles, há cada um - e quando precisa de atravessar uma rua ou uma estrada, o nosso gato não o faz sem olhar bem para um lado e para o outro, e usa sempre as passadeiras, pisando o alcatrão como se caminhasse por uma passarelle, vaidoso do brilho do seu colete reflector.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue