Epílogo 2

O pequeno café da aldeia, tinha uma sala arejada e limpa onde serviam refeições, e uma sala contígua, imersa na penumbra, que fazia as vezes de café e taberna. Era aí que ele se escondia como numa loca, numa mesa de canto onde bebia sozinho a sua aguardente, dissolvendo-se no seu torpor estúpido como uma ponte de granito que se submerge nas águas turvas e lodosas duma enxurrada. Os outros frequentadores, por vezes, metiam-se com ele, perguntando-lhe se a sua aguardente ainda ardia, ao que ele sempre respondia: «Não é uma água ardente, é uma água de mágoas».

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...