Saudade

Depois duma vida inteira a ganhar a vida no estrangeiro, reformou-se e decidiu que era altura de regressar a Portugal. Voltou de barco, e a alguns quilómetros da costa meteu conversa com um estranho que estava ao seu lado na quilha do navio, e não se coibiu de partilhar com ele:

- Sinto-me feliz, já sinto o cheiro da minha pátria.

Nesse instante, o navio foi abalroado por outro navio e naufragou ao fim dalgumas horas. Os dois reencontraram-se num bote salva-vidas, e o estranho observou com algum ressentimento:

- Você não me tinha dito que tinha nascido na Atlântida.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue