Hundapata, a centopeia, desceu até ao solo junto á árvore onde vivia, e sentiu-se inebriada de poder e ambição – “Hoje conquistei este pedaço de terra, amanhã conquistarei o mundo, a missão sagrada para a qual nasci tem, finalmente, pernas para andar”. Ainda mal tinha completado este pensamento e foi esborrachada pela bota militar duma criatura bípede. Eva Hundapata, a amante do grande conquistador, assistindo em agonia a esta cena atroz, lançou-se da árvore para o cabelo do assassino, procurando espezinhá-lo com as suas cem patas.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...