Visita

- Sou teu pai! – Lembrou o pai, sem grandes alaridos. O chão também não estava a estremecer, nem havia piras de sacrifício ou sarças ardentes.

- Pois, já não nos vemos há algum tempo.

- Desde o tempo do jardim do Éden. Vim visitar-te!

- Passaste também pela casa da cobra? Também és pai dela!

- Pois, mas ela não fica muito bem nos álbuns de família.

1 comentário:

  1. muito bom! como em algumas outras famílias, feitas à imagem e semelhança do Pai.

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...