Trinta e quatro mangas-de-alpaca levaram cento e oito dias e quatro horas para catalogar e arquivar os quinze mil, trezentos e oitenta e quatro despachos do Ministério dos Assuntos Despachados. Na verdade, havia apenas quinze mil, trezentos e oitenta e três despachos, sendo o despacho fantasma ocupado por um bilhete de amor escrito pela Dona Suzete dos Recursos e Aprovisionamento, ao Mário dos Serviços Arquivísticos, bilhete que nenhum dos trintas e quatro mangas-de-alpaca sabia como arquivar. A solução foi dada por um deles, o Mário dos Serviços Arquivísticos, que o arquivou na algibeira, tentando lembrar-se porque é que nunca respondera ao bilhete.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...