Quando morreu, o seu advogado, atendendo a um desejo manifesto, solicitou ao seu maior inimigo que comparecesse ao seu funeral «Porquê?!» Espantou-se este, e o advogado explicou «Ele achava que você, que o desejava morto, é o testemunho mais óbvio da sua vida».

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...