O seu coração era um livro aberto, aberto a todos. Um livro escrito numa língua morta, num país de cegos, com hieróglifos que só ele conseguia interpretar.

(Mas orgulhava-se da disponibilidade do seu coração).

1 comentário:

  1. Muito bom!
    Só faltava se queixar por não ser compreendido e nem correspondido!

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...