INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

"Eis quando eu pensava que a vida já não me reservava mais surpresas, e surge-me ainda esta: o veneno de ratos, afinal, sabe pior do que eu imaginava!".

7 comentários:

  1. :)

    deve saber mesmo. estou ali a fazer um bolo que, ou muito me engano, ou vai parar ao mesmo. Alá me valha.

    ResponderEliminar
  2. Podia , ao menos, escolher uma química que adormecesse, sem sabor, sem mais nada, só esquecimento!
    Quem planeja a própria morte poderia ter mais senso estético, eu acho!

    ResponderEliminar
  3. Maria, usou farinha de pão ázimo? ;)

    Angela, uma helenista como você deve estar a pensar nos Lotófagos, mas a estatística deste lado do mar, é um pouco mais crua. Em Portugal, foram registados no ano passado mais de 4.200 casos de tentativa de suicídio por envenamento, e os meios escolhidos repartiam-se entre medicamentos, detergentes domésticos e...veneno mata-ratos. Não é muito elegante, mas é o método preferido nos meios pequenos do interior

    ResponderEliminar
  4. José,

    na comunhão familiar usa-se muito doce. Porque amarga já é a vida q.b.

    era um bolinho de limão. Ficou pior do que veneno dos ratos. O erro foi tentar fazê-lo na famosa máquina de fazer pão (MFP)- isto é o diminutivo que os adoradores da máquina adoptaram.

    Achei curioso o seu post porque há dias referenciava que quando deixar de me espantar é porque já morri.
    Embora o Luiz Pacheco diga que a velhice é a ausência da surpresa. Talvez sim, talvez não. Ainda não cheguei lá. :)

    Os suicidios com esta fórmula (venenos de uso doméstico) é interpelante. Fica-me sempre um pasmo enorme. Com muito respeito.

    ResponderEliminar
  5. Sim, José!
    Quem sabe ainda trago no dna, alguns traços de lótus pois meu sono é uma benção e desejo que assim fossem todas as mortes!
    Talvez os parcos recursos dos interioranos, em geral, não lhes permita melhor escolha. Veja, pessoas como SYlvia Plath, escolheram o gás, não tão poético, mas indolor!

    ResponderEliminar
  6. José, uma pergunta: em microargumentos, a atualização de seus contos, pelo blogger, parou no conto A Tampa. Se não fosse minha insistência, não teria voltado aqui tão cedo!
    Sabe o que pode haver?

    ResponderEliminar
  7. Maria:
    No Domingo também fiz um bolo que levava raspa de limão, foi + uma experiência e resultou num bolo bom para gulosos (há quem diga que o açúcar é um veneno, mas enfim). Quanto ao pão, ainda teimo em dar uso ao meu forno de tijolo, uma ou duas vezes por mês cozo uma fornada de 5 kgs (e depois ando a caminhar para perder calorias ;)


    Angela:
    Devia ser um grão de areia na engrenagem do blogger, mas pelos vistos já saltou; também tinha reparado de passagem, quando lia os posts do Luís Ene.

    ResponderEliminar

Rainha

                Subiu lesto os parcos degraus que separavam o átrio do hotel do recinto sobrelevado onde haviam instalado a receção. Ab...