Saídas nocturnas

O ladrar dos cães acordou-o a meio da noite. A mulher estava ferrada no sono, pelo que se levantou com discrição. Vestiu o roupão, segurou a lanterna e saiu para o jardim, os cães continuavam a ladrar, num coro conjunto com os gansos. A luz do candeeiro de rua inundava todo o espaço e deu para notar que não havia nada de estranho no seu terreno, mas como a vozearia dos animais não cessava, aproximou-se da sebe que o separava da rua e espreitou. Primeiro apanhou um susto, mas logo racionalizou a coisa. Na valeta dum e doutro lado da estrada estavam deitados homens, com uniformes militares, seguravam as armas e pareciam à espera. Viu logo que eram tropas, como não podia deixar de ser, e deveriam estar a cumprir uma saída de campo. O quartel estava a mais de trinta quilómetros dali. Um deles viu-o e levou o dedo indicador aos lábios enquanto piscava o olho, o que só a custo percebeu porque esse, como os restantes, tinha o rosto enegrecido. Saudou-os com uma continência militar improvisada, apagou a lanterna e voltou ao quarto. Como já esperava, a mulher estava acordada, nunca acordava com os ruídos ou emergências mas reservava esse gesto às alturas incipientes que se lhe seguiam. Devia dever-se a algum instinto singular de auto-preservação.
- O que é que se passa?
- Tropas, dezenas deles, devem estar numa saída nocturna, têm a cara pintada com cortiça queimada, e estão deitados na valeta junto ao nosso jardim.
- E são muitos?
- Dezenas, já te disse...
- E são bonitos?
- Por amor de Deus, mulher! Fazes cada pergunta mais estúpida.
Virou-se para o outro lado e adormeceu quase de seguida, tão tranquilo que estava. A mulher não, ficou um bocado a pairar na solidão enorme daquele leito, os olhos muito abertos, e todos os seus sentidos alvoraçados. Levantou-se da cama e desceu á cozinha, acendeu um bico do fogão e procurou nas gavetas dos talheres, uma rolha de garrafa de champanhe que vira por ali. Encontrou-a. Iria precisar também de um espelho de mão, e daquelas botas de cano alto que usava no Centro Hípico.


Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue