Por um preguiçoso recurso da linguagem, todos falam na luz no fundo do túnel como uma alegoria da esperança, mas isso era uma pérfida ironia para aquele maquinista, no momento em que a luz ao fundo do túnel pertencia a uma locomotiva que vinha no sentido da sua em rota de colisão.

2 comentários:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...