Por superstição, apenas por retinta superstição, na casa daquele homem nunca se sentavam treze á mesma mesa. Ele era um solitário e nunca recebia ou convidava amigos para almoçar ou cear com ele, mas isso não era uma impossibilidade. Na realidade, ele tinha alguns dedos amputados, exactamente, sete, e na sua casa, quando se sentava à mesa para comer, encostava uma das mãos ou um dos pés a uma mesa contígua, para não contabilizar essa soma numérica de má-sorte.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...