O dia aguardado

No salão grande da Bolsa, pingava. A água da chuva a gotejar do tecto para pequenos baldes de lata onde antes se anichavam os papéis inúteis e o lixo. Mas isso não desencoraja ninguém, os negócios sucedem-se, as compras, os gritos, o stress galopante, todos correm dum lado para o outro, contornando os pingos, alheios ao ping-ping da chuva que escorre dos telhados. A um canto, num recanto miraculosamente poupado pelos pingues e pongues, dois homens celebram o fim da recessão, comemorando com champanhe, seco.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...