Ficção desconfortável

Os seus primeiros passos na ficção narrativa foram dados com desenhos, criava banda desenhada no estirador do seu gabinete de trabalho, a história desenrolava-se em quadrados, reunidos em tiras e em páginas de tiras de desenho, tudo criado no tampo do seu estirador. Com o passar do tempo, as palavras sobrepujavam as imagens, e as tiras de banda desenhada pareceram-lhe um beco sem saída. Aventurou-se então na ficção inteiramente escrita, na mesma altura em que mandou substituir o estirador por um móvel-contador.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...