Primeiro hesitante, depois resignado, lá ligou à esposa, do telemóvel.
- Onde é que tu andas? - pergunta-lhe logo ela.
- Resolvi dar-nos um tempo, e um espaço também. Peguei no carro e saí conduzindo, procurando as estradas mais beras e as paisagens mais desoladas. Queria ir para longe e estar longe, no meio de estevas e penhascos, sem encontrar ninguém, para pensar nas coisas e ouvir a erva a crescer.
- E deixa-me adivinhar - não conseguiste, ou tiveste saudades minhas...
- Não propriamente, consegui de facto vir para um sítio isolado e sem gente, e estou rodeado de estevas e penhascos, mas o facto, é que uma vez mais, esqueci-me de atestar o depósito do carro.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue