Lacuna

O jovem sacerdote elevou a voz para a assembleia.
- Antes de dar por concluído esta cerimónia matrimonial, resta-me perguntar, se algum dos presentes se opõe a este matrimónio? Se sim, que fale agora, ou se cale para todo o sempre.
Uma mulher grávida na primeira fila levantou-se de um salto, e gesticulou nervosamente, apontando o noivo, ao mesmo tempo que com a outra mão esfregava a barriga.
- Desculpe-me minha senhora, mas no Seminário não nos ensinam linguagem gestual. E como ninguém se pronuncia, declaro-vos marido e mulher!

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...